O que fazer em Petrópolis: 10 pontos turísticos e 5 restaurantes imperdíveis

Veja o que já está aberto para visitação com a pandemia, quais restrições e como organizar sua viagem para a cidade imperial.
Renata Assunção

Nós resolvemos ir para Petrópolis assim que o Museu Imperial reabriu uma de suas alas para visitação, depois de meses fechado por conta da pandemia. Foi ótimo voltar a fazer uma viagem com foco histórico e cultural depois de tanto tempo. Me senti naqueles castelos do Vale do Loire, na França e, guardadas as devidas proporções do ponto de vista estrutural, já que o Museu Imperial é bem menor, foi ainda mais legal, pois é a história do nosso país que estávamos revisitando. Mas, se você não é muito chegado a visitar palácios antigos, saiba que a cidade imperial também oferece opções de lazer em meio à natureza, além de ótima gastronomia. Neste post veja o que fazer em Petrópolis.

Casal se abraçando em frente a fachada da Casa da Ipiranga
Casa dos Sete Erros ou Casa da Ipiranga

Um pouco da história de Petrópolis

A história de Petrópolis começa lá em 1822, ano em que Dom Pedro I passou pela região em uma viagem com destino a Minas Gerais e se encantou pela Mata Atlântica e pelo clima ameno da região serrana. Por conta disso, o imperador comprou a Fazenda do Córrego Seco com o intuito de construir um palácio. Porém, antes de colocar seu plano em prática, Dom Pedro I retornou para Portugal, onde acabou morrendo, sem voltar ao Brasil. 

Selfie em frente a canal com catedral ao fundo
Nós dois na Avenida Koeler, uma das mais imponentes da cidade.

Anos depois, seu filho, Dom Pedro II, construiu no terreno herdado sua casa de verão e foi a partir daí que Petrópolis surgiu, tendo a cidade sido fundada em 1843. Inclusive, o nome é uma homenagem ao imperador e significa, em grego, “a cidade de Pedro”. Com a Proclamação da República, em 15 de novembro de 1889, a família real foi banida e exilada na Europa. A única herdeira, Princesa Isabel, alugou o Palácio de Petrópolis para o Educandário Notre Dame de Sion e depois para o Colégio São Vicente de Paulo. O Palácio só foi transformado em Museu em 1940, sob o governo de Getúlio Vargas. 

Além do Museu Imperial, Petrópolis tem outros prédios históricos importantes que foram tombados e preservados. A catedral de São Pedro de Alcântara, construída em estilo gótico e o Palácio de Cristal, construído na França em 1879, de onde a princesa Isabel liberou os últimos escravos da cidade, em 1888, além do Museu Casa de Santos Dumont e o Palácio do Rio Negro. 

Nosso roteiro de duas noites – O que fazer em Petrópolis: 10 pontos turísticos

Casal abraçado em frente a fachada de Hotel Casablanca Imperial
Nós no Hotel Casablanca Imperial, onde nos hospedamos

Dia 1 (tarde)

  • Casa D’Angelo
  • Praça Dom Pedro II
  • Catedral São Pedro de Alcântara
  • Jantar: Restaurante Bordeaux

Dia 2 (dia inteiro)

  • Avenida Koeler (passando pela Casa da Princesa Isabel e Palácio do Rio Negro)
  • Museu Casa de Santos Dumont
  • Palácio de Cristal
  • Cervejaria Bohemia
  • Lanche: Duetto’s Bistrô e Café
  • Museu Imperial
  • Jantar: Restaurante Imperatriz Leopoldina (Hotel Solar do Império)

Dia 3 (manhã)

  • Casa dos Sete Erros (ou Casa de Petrópolis)
  • Palácio Quitandinha

O que fazer em Petrópolis: 10 pontos turísticos

1 – Museu Imperial

Mulher de máscara caminhando em frente a Museu Imperial
Homem em frente a fachada do Museu Imperial

O Museu Imperial foi a casa de veraneio do Imperador Pedro II e possui o principal acervo do país relativo ao império brasileiro. Como neste momento (06/2021) só está aberta a ala esquerda, você poderá visitar apenas parte do palácio. A vantagem é que estão permitindo a entrada de apenas 25 pessoas por hora, o que garante que o turista veja tudo com bastante tranquilidade. 

Você vai ver a sala dos diplomatas, a sala de jantar, a sala de música, algumas vestimentas, a pena com que a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea, a coroa utilizada por Dom Pedro II, entre outros itens. Porém, os quartos e banheiros do Palácio continuam fechados. É preciso agendar sua visita com antecedência de pelo menos 24 horas pelo telefones (24) 2233-0313 | (24) 2233-0345, disponíveis para atendimento de segunda a sexta, das 9h às 17h. Para mais informações, clique AQUI. 

Carruagem utilizada por Dom Pedro II
Carruagem usada por Dom Pedro II

Se não conseguir fazer sua reserva, você poderá, pelo menos, dar um passeio pelo jardim e visitar o Pavilhão das Viaturas, que expõe diversos exemplares de carruagens do período, inclusive a mais imponente delas, utilizada pelo imperador no casamento de suas filhas. Ah, e se tiver um tempinho, aproveite para tomar um chocolate quente no Duetto’s Bistrô. É uma delícia.

2 – Catedral São Pedro de Alcântara – O que fazer em Petrópolis: 10 pontos turísticos

Mulher em ponte com catedral ao fundo
Foto: Fernando Cravos
Parte interna da Catedral de São Pedro de Alcântara
Foto: Fernando Cravos

A Catedral São Pedro de Alcântara, que começou a ser construída em 1876 e demorou 37 anos até ter a primeira parte concluída, foi inspirada na Notre-Dame de Paris. Apesar de estar passando por uma super obra de restauração, seu interior está aberto para a visitação de turistas. Quando entramos, um guia se ofereceu para nos acompanhar (e depois deveríamos pagar uma gratificação), mas nós preferimos seguir sozinhos.

Lá dentro você poderá ver os túmulos com os restos mortais do imperador dom Pedro II, que a inaugurou, de sua esposa, a imperatriz Teresa Cristina e da filha, a Princesa Isabel, além de lindos vitrais. Vale a pena conhecer. Só fique de olho nos horários das missas e celebrações, quando fica proibida a entrada de turistas (por conta da pandemia). 

3 – Museu Casa de Santos Dumont

Museu subindo as escadas da casa de Santos Dumont
Foto: Fernando Cravos

Outro ponto turístico que está aberto para visitação em Petrópolis é o Museu Casa de Santos Dumont. Conhecida como A Encantada, por ficar na rua do Encanto, a casa de verão do famoso aviador brasileiro é bem simples e cheia de invencionices, bem ao gosto de seu criador.

A visita começa na famosa escadinha recortada, que só dá para começar a subir com o pé direito, depois seguir com o esquerdo e, assim, sucessivamente. Então você chega na sala, que possui alguns pertences que foram do aviador, quarto e banheiro. Cozinha não tem, porque ele pedia comida no Palace Hotel (onde hoje funciona a Universidade Católica de Petrópolis). 

No centro cultural (anexo à casa) o turista também poderá ver uma exposição que conta um pouco sobre a vida e a obra do aviador. Você sabia, por exemplo, que a cratera onde Neil Armstrong pisou pela primeira vez na lua foi nomeada pela União Astronômica Internacional de Santos Dumont? 

O ingresso custa R$10 (inteira) e só podem entrar seis pessoas de cada vez. Quando fomos não tinha ninguém na fila, mas nos finais de semana tem ficado bem cheio.

Veja > Onde se hospedar em Gramado: veja 10 dicas de hotéis charmosos

4  – Casa da Ipiranga ou Casa dos Sete Erros – O que fazer em Petrópolis: 10 pontos turísticos

Fachada da Casa dos Sete Erros
Foto: Fernando Cravos
Sala com poltronas de época e cortinas
Foto: Fernando Cravos

A Casa da Ipiranga é um dos pontos turísticos mais instagramáveis de Petrópolis. A residência ganhou o apelido de Casa dos Sete Erros por causa da assimetria de sua fachada, sendo o lado esquerdo diferente do direito. Repare nas janelas, na torre e na varanda.

A casa pertenceu à família de José Tavares Guerra, um aficionado por viagens que visitou os Alpes Suíços, o Egito, a Índia, a Palestina, entre outros lugares, numa época em que era bem mais complicado viajar. Como lembrança, ele mandou pintar o teto da sala de música com imagens destes locais. 

Você pode conhecer a casa por dentro para ver esses painéis e alguns mobiliários da época. O ingresso custa R$10 e a visita é guiada. Como quando fomos só tinha um funcionário, acabamos desistindo de esperar para entrar.  

Na parte externa você também pode ver a torre do relógio e a coxia dos cavalos, que hoje em dia é onde funciona o restaurante Bordeaux. Aliás, vale almoçar ou jantar por ali. Nós experimentamos e achamos ótimo!

5 – Palácio Quitandinha

Casal sentado no gramado em frente ao Palácio Quitandinha

O Palácio Quitandinha foi construído em 1944 para ser o maior cassino-hotel da América Latina e é um dos cartões postais mais conhecidos de Petrópolis. Construído no estilo neo-normando, tendência dos cassinos da época, ele é aberto para visitações, que ocorrem de terça a domingo, de 10h às 16h30. Ingresso: R$10 livre ou R$20 visita guiada.

Outra possibilidade é fazer um piquenique na beira do lago. O local está aberto ao público com bastante organização. As famílias ganham um espaço demarcado no chão para garantir o distanciamento e o uso de máscaras é obrigatório (não na hora de comer, claro). Só fique atento porque não é permitido levar utensílios de vidro. O jardim fica aberto de terça a domingo e feriados, de 9h às 18h. Mais informações AQUI.

6 – Avenida Koeler – O que fazer em Petrópolis: 10 pontos turísticos

Mulher perto de placa de casa da princesa isabel
Foto: Fernando Cravos

Passear pela Avenida Koeler é um passeio quase obrigatório para todos os turistas. A rua é cheia de lindos casarões antigos, alguns cheios de histórias de personagens importantes. Entre elas, duas chamam bastante atenção: a casa que pertenceu a Princesa Isabel, onde hoje funciona a Companhia Imobiliária de Petrópolis, sucessora da Imperial Fazenda e o Palácio do Rio Negro, que se tornou residência de verão dos presidentes da República.

Veja também > Angra dos Reis: as maravilhas da Baía da Ilha Grande

7 – Palácio do Rio Negro 

Fachada do Palácio Rio Negro
Foto: Fernando Cravos

O Palácio, infelizmente, está fechado durante a pandemia e depois deve entrar em obras, então não há previsão de reabertura para os turistas. Mas ele guarda uma longa história ligada à República Brasileira. Depois de pertencer ao Governo do Rio quando Petrópolis era a capital do estado, passou para as mãos do Governo Federal e se tornou residência de verão de diversos presidentes. 

Nele já se hospedaram Rodrigues Alves, Hermes da Fonseca, Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek, e outros. A tradição foi interrompida pela transferência da capital para Brasília, mas retornou na década de 90, com o presidente Fernando Henrique Cardoso, e em seguida, com o presidente Lula. 

8 – Palácio de Cristal – O que fazer em Petrópolis: 10 pontos turísticos

Fachada do Palácio de Cristal
Foto: Fernando Cravos

Antes da pandemia, o Palácio de Cristal recebia os maiores eventos de Petrópolis, mas desde 2019 está fechado para obras. O prédio é lindo e me lembrou muito o Palácio de Cristal do Parque Del Retiro, de Madri. Construído a pedido do Conde d’Eu para abrigar exposições hortícolas, o Palácio de Cristal foi inaugurado em 1884 e guarda uma importante relevância histórica: foi ali que a princesa Isabel libertou os últimos escravos da cidade, antes da Abolição ser decretada no Brasil. 

9 – Cervejaria Bohemia

Homem em frente a Cervejaria Bohemia

Para quem gosta de cerveja, vale a pena fazer um tour na Cervejaria Bohemia. Lá você vai aprender um pouco sobre história, arte e ciência da fabricação de cerveja, além de, claro, poder degustar alguns rótulos da mais antiga cervejaria do Brasil. O tour dura cerca de uma hora e meia. Depois você pode fazer uma boquinha no restaurante e bar do local. 

10 – Parque Cremerie – O que fazer em Petrópolis: 10 pontos turísticos

Parque Cremerie em Petrópolis com lago, ponte vermelha e casinhas amarelas
Parque Cremerie. Foto: Prefeitura de Petrópolis

O Parque Cremerie não entrou no nosso roteiro por falta de tempo, mas nós adoramos as fotos e ficamos com muita vontade de visitar o local em uma próxima viagem para Petrópolis. O parque tem uma super área verde com lago, quadras de esporte e espaço para piqueniques, além de parquinhos para as crianças e churrasqueira.  

Onde comer em Petrópolis – 5 restaurantes e um café

1 – Restaurante Bordeaux Ipiranga

Este restaurante fica ao lado da famosa Casa dos Sete Erros e funciona no local onde antigamente era a coxia de cavalos da família Tavares Guerra. O ambiente é bem aconchegante, a decoração é cheia de detalhes interessantes e não existe carta de vinhos, você pode escolher seu rótulo direto na adega. No cardápio, opções de carnes, peixes e fondue. Nós experimentamos o fettuccine com paillard e o magret de pato com arroz de amêndoas. Mais informações, AQUI.

2 – Restaurante Imperatriz Leopoldina

O restaurante Imperatriz Leopoldina fica dentro do Hotel Solar do Império, na bela Avenida Koeler. O atendimento é excelente e as paredes do salão são todas pintadas à mão. Destaque para o filé mignon do Solar com presunto de Parma, queijo brie e risoto de açafrão. Estava uma delícia! Mais informações AQUI.

3 – Casa D’Angelo

Salão do restaurante d'angelo
Foto: Divulgação

A Casa D’Ângelo é um restaurante clássico de Petrópolis. Funciona desde 1914 e já recebeu clientes como Santos Dumont e Getúlio Vargas. O cardápio é bem variado e há opções de menu executivo no horário de almoço. Nós comemos apenas uns pastéis e uns croquetes assim que chegamos em Petrópolis, e ambos estavam ótimos.

4 – Locanda Della Mimosa

Pratos com carne e risoto no Locanda Della Mimosa
Foto: Divulgação

O restaurante do Locanda Della Mimosa entrou na nossa lista para uma próxima viagem para Petrópolis. Ele é o único restaurante da América Latina a já ter participado do guia “Les Grand Tables du Monde” e já ganhou, por duas vezes, o prêmio Guia Quatro Rodas como a melhor carta de vinhos. O cardápio é focado na gastronomia italiana com opções de massas frescas, carnes e frutos do mar, além de disponibilizar algumas opções veganas. 

5 – Casa Marambaia

Salão do restaurante Marambaia com poltronas, sofás e mesas
Foto: Divulgação

O restaurante da Casa Marambaia, uma pousada de luxo que fica a 15 minutos do centro de Petrópolis, é aberto também para não hóspedes. O cardápio é comandado pelos chefs Roland Villard, David Mansaud e Bruno Hamad e faz uma união franco-brasileira que investe nos produtos locais e em ingredientes cultivados na própria fazenda. No cardápio ragu de batata com alho confitado, aspargos e cogumelos com polvo grelhado, ovo parfait com fondue de queijo artesanal, entre outros. 

Dica extra: Duetto’s Bistrô e Café

Mulher em frente a uma bicicleta com flores

O Duetto’s fica dentro do jardim do Museu Imperial e oferece ótimas opções de café, chocolate, sanduíches e massas. Nós experimentamos o chocolate quente tradicional e o tipo europeu. Ambos deliciosos. O ambiente é agradável e o atendimento é bem solicito. Vale a pena conhecer!


Essas foram as nossas dicas de Petrópolis. Se você ficou com alguma dúvida ou tem alguma sugestão, escreva pra gente aqui nos comentários ou entre em contato pelo nosso Instagram @casalgiramundo

Veja alguns posts que também podem te interessar:

Onde comer em Visconde de Mauá: 10 restaurantes incríveis

Onde comer em Teresópolis: conheça 7 restaurante imperdíveis

Hotel com hidro e piscina em Teresópolis: conheça o Urikana