O que fazer no Algarve – roteiro de 5 dias

Praias com mar azul turquesa, ótimos restaurantes e hotéis; Conheça a região de Portugal onde faz sol 300 dias por ano.
Renata Assunção
Casal se abraçando em frente a gruta dentro de barco no Algarve
Passeio pelas proximidades da Gruta de Benagil

A região do Algarve, em Portugal, é encantadora! Tão encantadora que nós fomos para lá com apenas três dias de hotel reservado e tivemos que estender nossa hospedagem para conseguir dar conta de conhecer tudo o que a gente queria. As praias são lindíssimas! Não é à toa que a praia da Marinha foi eleita uma das 100 praias mais bonitas do mundo pelo guia Michelin. 

Mas, se por um lado, não vai faltar beleza aos olhos, por outro prepare-se para encontrar uma água gelada e muitas praias sem estrutura para o turista. Algumas você até consegue alugar uma cadeira e uma barraca, mas não espere encontrar vendedores de cerveja à beira-mar. Esqueça os resorts e as mordomias e se prepare para um contato incrível com a natureza. Mas, claro, a gente também vai dar dica de um hotel maravilhoso, com vários bares e piscinas e de um beach club com serviço na areia, porque ninguém é de ferro, né?

Praia da marinha no Algarve vista do mar
Praia da Marinha, eleita uma das 100 mais bonitas do mundo pelo Guia Michelin

Transporte – como se locomover

Nós alugamos um carro em Lisboa. Essa é, sem dúvida, a melhor forma de se locomover pelo Algarve. Como ficamos cinco meses direto na Europa, nós fizemos um leasing, que acaba saindo mais barato. Se a sua viagem durar mais que 21 dias, recomendamos fazer o mesmo. Se quiser saber mais sobre essa nossa experiência, clique aqui.

A viagem do aeroporto de Lisboa até o hotel onde nos hospedamos, em Albufeira, levou 2h30 (263 km) e foi super tranquila. Ótimas estradas (algumas delas com pedágios) e o sinal de internet funcionou em quase todos os trechos. A sinalização das pistas também não deixa a desejar.  Lá no Algarve, se você quiser conhecer várias cidades e praias diferentes, como fizemos, é fundamental que esteja de carro. Normalmente você vai ter que dirigir cerca de uma hora para ir de uma cidade a outra, mas pode ter certeza que vai valer a pena.

Praia da Marinha vista do alto
Praia da Marinha, no Algarve

Onde se hospedar no Algarve


Quando fomos pesquisar em qual cidade nós ficaríamos no Algarve nos disseram para escolher Tavira, por ter águas mais quentes. Mas nós achamos que ela ficaria mal localizada para fazer todos os deslocamentos (veja no mapa que ela fica bem na pontinha do Algarve). Muitos turistas ficam hospedados em Faro, que é a maior cidade e onde fica o aeroporto. E haviam nos dito para evitar a região de Albufeira, que é meio zoneada, tem muitos bares e atrai muitos turistas em busca de farra, tipo despedidas de solteiro, etc.  Aí, reservamos um hotel na região de Portimão, que nos pareceu bem localizado.

Porém, quando chegamos lá não gostamos muito da cidade e resolvemos mudar tudo. Paramos o carro e fizemos uma reserva em um outro hotel, através do Booking.com, pelo celular mesmo. Resolvemos priorizar a hospedagem ao invés de pensarmos na cidade e essa foi a melhor decisão que fizemos em toda a viagem.

Homem carregando mulher dentro de piscina de hotel no Algarve
Piscina do hotel Epic Sana Algarve, que fica em Albufeira


O Epic Sana Algarve fica em Albufeira, que é aquela região que tinham nos avisado para não nos hospedarmos. Mas o hotel fica numa área super agradável, afastada do centro muvucado, em frente a praia das Falésias. E ele é MA-RA-VI-LHO-SO. O quarto é super espaçoso, confortável e com uma decoração moderna, o hotel tem vários restaurantes, piscinas, bares, enfim, toda estrutura para garantir uma hospedagem de excelente qualidade.

Veja também > O que fazer em Málaga – roteiro de 3 dias

Quarto de hotel em Albufeira, no Algarve
Hotel Epic Sana Algarve

RoteiroO que fazer no Algarve

Casal sorrindo na Praia da Falésia, no Algarve
Praia da Falésia – Albufeira

Dia 1 – O que fazer no Algarve

Começamos o primeiro dia conhecendo a praia da Falésia, em Albufeira, que fica em frente ao hotel em que nos hospedamos, o Epic Sana Algarve. Ela é uma praia bem extensa, tem cadeiras de praia e barracas para alugar, restaurantes próximos (não vimos nada na areia) e, como o nome diz, há uma belíssima falésia. Como a praia é extensa, mesmo no verão, quando ela fica bem cheia, você vai encontrar algum espaço para ficar tranquilo. Não vimos vendedores na areia, mas há bares próximos. 

Depois seguimos para o centro de Albufeira. Passamos pela praia dos Pescadores, que é bem urbana, e fomos passear por entre os bares da cidade. Realmente é uma região super movimentada, com várias opções de bares e restaurantes. Não espere encontrar tranquilidade ou romantismo, mas com certeza você verá muita animação. É uma área para se divertir, tomar uns drinques, escutar uma música ao vivo e bater pernas. No hotel nos indicaram dois restaurantes que ficam em frente à praia dos Pescadores, a Tasca do Viega e o restaurante Ruína. Como almoçamos bem tarde, não experimentamos, mas nos pareceram boas opções.

Dia 2 – o que fazer no Algarve

No segundo dia fomos conhecer o Vila Joya, o primeiro restaurante da região a receber duas estrelas Michelin e o único em Portugal a conseguir manter as estrelas por 26 anos consecutivos. Fizemos a reserva do almoço com cerca de um mês de antecedência, tamanha era nossa vontade de experimentar as maravilhas elaboradas pelo chef austríaco Dieter Koschina. Neste post contamos tudo sobre o restaurante.

Depois seguimos para um outro passeio imperdível: conhecer as grutas da Ponta da Piedade. Apesar do cartão postal do Algarve ser a gruta de Benagil, as grutas da Ponta da Piedade nos deixaram encantados. Para fazer o passeio você tem duas opções: contratar um barquinho a motor ou um caiaque. Nós preferimos o barco a motor, até porque com o caiaque ficaria mais complicado para fazer os registros para o blog. 

Bela vista da Ponta da Piedade, no Algarve. Barquinhos aguardando turistas para o passeio, alguns turistas nas escadas.
Ponta da Piedade, no Algarve, onde você pode pegar um barco para conhecer as grutas

A Ponta da Piedade é realmente um lugar marcante, assim como grande parte das praias que visitamos no Algarve. As grutas são lindas, a água é de um azul transparente, o passeio é realmente especial. Veja o vídeo que fizemos aqui.

Dia 3 – O que fazer no Algarve

Saímos cedo em busca de uma praia com serviços a beira-mar, como já estamos acostumados a ter no Brasil. Fomos primeiro para a praia de Rocha Baixinha e lá encontramos espreguiçadeiras e barracas para alugar, mas nada de serviço na areia. Almoçamos em um restaurante que fica na praia mesmo, porém longe da água, o Rocha Baixinha Beach Restaurant. Comemos amêijoas de entrada e a famosa cataplana como prato principal. A cataplana é, na verdade, uma panela metálica onde se colocam os ingredientes da região, geralmente mariscos com alguns temperos e legumes e os deixa cozinhar. O resultado é delicioso. 

Depois seguimos para a praia de Vilamoura, onde conseguimos encontrar um Beach Club que fazia atendimento na areia. Mas como já estava no final do dia, acabamos deixando a experiência para uma outra oportunidade. O Puro Beach é focado em música eletrônica. À noite fomos conhecer o restaurante japonês Yakuza by Oliver, que fica nas proximidades do hotel em que estávamos hospedados. Clima super animado, música ambiente agradável, mesas confortáveis e comida deliciosa e criativa.

Veja também > O que fazer em Óbidos, cidade medieval em Portugal

Dia 4 – Tavira e Faro

Fomos conhecer Tavira e Faro e preferimos focar nas regiões centrais das cidades, sem ir à praia. Na cidade de Tavira visitamos o Castelo Medieval, na realidade suas ruínas. Como já havíamos passado pela vila medieval de Óbidos, em Portugal, achamos essas ruínas pouco atrativas. A vantagem é que você vai ter uma boa visão da cidade por cima das muralhas. Depois passeamos pelo mercado da Ribeira, que tem algumas lojinhas e barracas à beira do rio Séqua. Fomos até a estação dos ferrys, meio de transporte usado para chegar até as praias, mas não fizemos a travessia.

Seguimos para Faro, onde passeamos pelo centro histórico que é cercado por antigas muralhas. Vimos a Sé e alguns bares, andamos pelas ruas de pedras. É bonito, mas nada super empolgante. É que o Algarve é tão marcante por suas belezas naturais, que a parte histórica é apenas um pano de fundo. 

Dia 5 – O que fazer no Algarve

Para fechar a viagem com chave de ouro fomos conhecer o principal cartão postal do Algarve: a Gruta de Benagil. Para conhecê-la você pode pegar barcos direto de Albufeira, Portimão, Lagos e Vilamoura. Pode ainda sair de Carvoeiro, Armação de Pêra ou da própria praia de Benagil, que é a mais próxima da gruta. Há opções para todos os gostos e bolsos. Você pode alugar um stand up paddle, um caiaque ou contratar barcos a motor. A dica é chegar cedo porque a fila é grande. Ou então, você pode fazer uma reserva pela internet clicando aqui. Neste passeio também visitamos a praia da Marinha, que foi eleita uma das 100 praias mais bonitas do mundo pelo guia Michelin. Primeiro passamos em frente a ela de barco e depois fomos de carro para ver a vista do alto. Ambas são imperdíveis.

Casal se abraçando em frente à Praia da Marinha, dentro de barco.
Passamos em frente à Praia da Marinha em nosso passeio pela gruta de Benagil

O almoço foi num restaurante que adoramos, chamado O Pescador. Peixes super frescos e deliciosos com vinho branco para acompanhar. Dia perfeito que é para o Algarve deixar muitas saudades. Que lugar fantástico! 

Mulher admirando a praia da Marinha, no Algarve, em Portugal.
Praia da Marinha