O que fazer na Chapada dos Veadeiros

Conheça a Chapada com conforto e sem perrengues. Veja nossas dicas de onde se hospedar, onde comer e quais cachoeiras conhecer.
Renata Assunção

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros é um dos meus lugares preferidos no Brasil e foi com espanto que no início do nosso namoro recebi a notícia de que Fernando, apesar de morar em Brasília há cerca de 40 anos, nunca tinha feito essa viagem. Mas depois percebi que o motivo era até compreensível: ele não é muito chegado a enfrentar estradas de terra e passar horas caminhando para mergulhar em uma cachoeira gelada. 

Como eu já conhecia a Chapada, resolvi propor uma viagem com um roteiro especial – sem perrengues! Com cachoeiras de fácil acesso, bons restaurantes e ótimas pousadas. E foi assim que, depois de um final de semana que passamos por lá, consegui conquistar um sorriso no rosto e uma vontade de voltar.

Neste post vou falar um pouco sobre a história da região, as principais cachoeiras e trilhas, os restaurantes e algumas dicas de hospedagens. E, se você também não for muito aventureiro, pode conferir nosso roteiro completo no final do texto. 

Um pouco de história

A Chapada dos Veadeiros foi reconhecida Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco em 2001. O Cerrado, bioma que você encontra por lá, é reconhecido como a savana mais rica do mundo, abrigando 11.627 espécies de plantas já catalogadas, de acordo com o Ministério do Meio Ambiente (para outras informações, acesse AQUI). Além de vários animais, plantas, nascentes e cursos d’água, no Cerrado você pode encontrar diversos frutos comestíveis, entre eles o pequi, típico da culinária goiana. 

Por ter um posicionamento privilegiado, a Chapada dos Veadeiros possui exemplares de 60% das plantas do Cerrado e 80% dos animais vertebrados. O Parque Nacional de Chapada dos Veadeiros foi criado pelo presidente Juscelino Kubitschek em 1961, mas a história da região é bem mais antiga. Seus primeiros habitantes foram os índios, depois vieram alguns bandeirantes e fixaram residência em Alto Paraíso de Goiás. Ao norte de Cavalcante foram construídas comunidades de ex-escravos (kalungas) e a região de São Jorge passou a ser habitada quando foi descoberta a primeira jazida de cristal. 

Onde fica a Chapada dos Veadeiros?

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros fica no estado de Goiás. São 240 mil hectares de área contínua preservada. Apesar de ficar em Goiás, a capital mais próxima da região é Brasília, no Distrito Federal. 

Como ir para a Chapada dos Veadeiros? Qual aeroporto mais próximo?

O jeito mais fácil de chegar na Chapada dos Veadeiros é pegar um voo até Brasília e no aeroporto pegar um carro alugado para ir até a Chapada dos Veadeiros. Sugerimos que você abasteça o seu carro no caminho para garantir o tanque cheio já que não há postos de combustível em São Jorge. De Brasília para São Jorge, que é a principal vila da Chapada dos Veadeiros, são cerca de 270 km (3h30 de viagem).

Quando ir para Chapada dos Veadeiros?

O Parque Nacional fica aberto o ano todo, mas a melhor época para visitar a Chapada dos Veadeiros é no período de seca – especialmente de julho a novembro. Entre os meses de dezembro e abril ocorrem as chuvas e, além de precisar redobrar o cuidado com possíveis trombas d’água, você terá mais dificuldade nas estradas de terra. Se for possível, evite feriados. A Chapada dos Veadeiros fica muito cheia nestes períodos (especialmente ano novo e carnaval) e tanto para visitar as cachoeiras quanto para comer nos restaurantes, você pode se sentir desconfortável. 

Qual a melhor cidade para se hospedar na Chapada dos Veadeiros?

Você pode se hospedar em São Jorge, Alto Paraíso de Goiás ou Cavalcante. A mais charmosa e a mais conhecida das três é São Jorge. Além de ser ali a entrada para o Parque Nacional de Chapada, é na vila que você encontrará ótimos restaurantes e uma vida noturna um pouco mais animada. 

Alto Paraíso de Goiás é uma cidade maior, com mais opções de hospedagens e um pouco menos de charme. Em Alto Paraíso, cidade mais próxima de Brasília, você consegue abastecer o carro, ir ao banco, fazer compras e também tem algumas boas cachoeiras para visitar ao redor.

Cavalcante é o menor dos três e tem poucas opções de hospedagem, no entanto, é a vilarejo mais próximo do principal cartão postal da Chapada dos Veadeiros, a cachoeira de Santa Bárbara. Por isso, alguns turistas preferem se hospedar ali para garantir a chegada na cachoeira logo cedo, antes da lotação de turistas. Mas, lembre-se que você ficará longe de outros pontos legais a serem visitados em sua viagem. 

Hotéis e pousadas:

Pousada Maya – Nós nos hospedamos na suíte Maya da pousada Maya e somos só elogios. Atendimento super solicito, quarto espaçoso, roupa de cama e banho de ótima qualidade, tudo perfeito. A suíte tem cama king size, banheira de hidromassagem, chuveiro com duas duchas e uma varanda com uma linda vista da Chapada dos Veadeiros. Para ver mais informações e fazer sua reserva, clique AQUI

Outras boas pousadas:

Alto Paraíso:

Pousada Inácia

Casa da Lua Pousada

São Jorge:

Pousada Baguá

O que fazer na Chapada dos Veadeiros?

Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros

No Parque Nacional da Chapada você pode fazer 4 trilhas diferentes: A Travessia das Sete Quedas, a Trilha dos Saltos, Carrossel e Corredeiras, a Trilha dos Cânions e Cariocas e Trilha da Seriema.

A Travessia das Sete Quedas só pode ser feita no período de seca: de junho a novembro. Precisa ser reservada com antecedência e é considerada muito pesada. São 3 dias de caminhada e você acampa dentro do Parque da Chapada dos Veadeiros. É recomendada a contratação de um guia. A Trilha dos Saltos tem 11 km (ida e volta) e para fazê-la você deve seguir as setas amarelas. É considerada uma trilha de dificuldade moderada. Você passará por um local onde era realizado garimpo de cristal de quartzo entre 1912 e 1961, pelo Mirante do Salto do Rio Preto, pela Cachoeira do Garimpão, pelo Mirante do Carrossel e pelas Corredeiras do Rio Preto. 

A Trilha dos Cânions e Cariocas tem 12 km (ida e volta) e um nível de dificuldade moderada superior. Você deve seguir as setas vermelhas e irá conhecer a Cachoeira das Cariocas e os cânions. A Trilha da Seriema tem apenas 800 metros (ida e volta) e é considerada muito leve. Para fazê-la você deve seguir as setas azuis que te guiarão até o córrego rodoviarinha. Ela é indicada para idosos, grávidas e crianças. 

Algumas informações importantes:

  • Você deverá assinar um termo na entrada do parque.
  • Lembre-se do horário de fechamento e calcule sua volta com folga de tempo. 
  • Faça um café da manhã super reforçado.
  • Leve lanches leves e bastante água. 

Para ver outras informações, acesse o site do ICMBio AQUI

Vale da Lua

O Vale da Lua é um dos lugares mais lindos e diferentes que você vai ver na Chapada dos Veadeiros. As formações rochosas da região possuem um aspecto “lunar” e por isso o vale ganhou este nome. Para chegar você terá de seguir por cerca de 4 km em uma estrada de terra, mas quando fomos ela estava em ótimas condições. Depois de estacionar o carro, você verá alguns banheiros, a bilheteria (a entrada é paga) e um barzinho. A trilha é curta (1 km) e fácil. E o lugar realmente vale a pena conhecer. Não esqueça de levar sua garrafa d’água. 

Morada do Sol e Raizama

Se você prefere fazer uma trilha tranquila e não enfrentar grandes distâncias de carro em estrada de terra, pode conhecer as cachoeiras Morada do Sol e Raizama. As duas são bem próximas uma da outra e tem trilha fácil com trajetos de pouco mais de 2 km. Ambas são pagas.

Almécegas 1 e 2 e São Bento

As cachoeiras estão dentro da Fazenda São Bento, que fica a 8 km de Alto Paraíso, rumo à São Jorge. Você enfrentará uma boa subida para chegar até lá, mas não se desanime, que o visual vai valer a pena. A Almécegas 1 tem uma queda d’água de 45 metros de altura e alguns turistas se aventuram em saltar. Nós ficamos nervosos só de olhar! A entrada na Fazenda São Bento é paga. 

Loquinhas

Loquinhas fica dentro de Alto Paraíso e seu acesso é super fácil. Com estacionamento na porta, trilhas curtas e bem demarcadas, Loquinhas é um convite para a diversão em família. São 18 poços e quedas d’água. Destaque para o Poço Xamã, que tem uma nascente e uma água super azul. A entrada é paga.

Cataratas dos Couros

Prepare-se para enfrentar 35 km de estrada de terra (depois de outros 53 km no asfalto, se você estiver hospedado em Alto Paraíso de Goiás que é a cidade mais próxima). A estrada é ruim e é preciso contratar um guia ou utilizar os aplicativos de geolocalização para não se perder, mas dizem que a beleza do lugar vale o sacrifício. A trilha tem 6km (ida e volta) e o nível de dificuldade é leve, com vários locais de banho ao longo do trajeto, inclusive algumas piscinas naturais com borda infinita para o vale. Se for em períodos de cheia, cuidado com os redemoinhos que se formam e podem causar acidentes e afogamentos.

Cachoeira de Santa Bárbara

A cachoeira Santa Bárbara é um dos principais cartões postais da Chapada dos Veadeiros e sua cor azul faz com que todo turista queira conhecê-la. Mas saiba que este é o passeio mais “complicado” porque existe uma restrição de acesso e só podem entrar 300 pessoas por dia na cachoeira. A boa notícia é que você pode comprar seu ingresso pela internet. Para informações e compra, clique AQUI.

Se não deu tempo para se programar, a recomendação é chegar bem cedo. E lembre-se que, se você estiver hospedado em Alto Paraíso, terá de percorrer 109 km até lá. Nos dias mais cheios às 10h da manhã as vagas se esgotam. Para visitar a cachoeira de Santa Bárbara você precisará pagar a entrada e contratar um guia turístico da comunidade Kalunga que deverá seguir com você no seu carro. A trilha de 1,5 km é considerada leve.  Você poderá curtir a  cachoeira por, no máximo, uma hora. O melhor horário para fazer a visita é entre 12h e 14h. 

Mirante da Janela

Você já viu uma foto onde as pessoas deitam em uma pedra que emoldura uma linda cachoeira? Este é outro famoso ponto de Chapada dos Veadeiros conhecido como o Mirante da Janela. A trilha até lá é considerada de esforço moderado, são 8km (ida e volta), com a alteração em trechos de nível fácil e difícil. Para começar a trilha você deve ir de carro até um local conhecido como aeroporto dos disco voadores (perto de São Jorge). Você pode fazer a trilha sozinho, mas se não tiver experiência, recomendamos a contratação de um guia, até porque, o desafio maior é encontrar o Mirante da Janela. Mas, se você for em um período com muitos turistas não se preocupe, provavelmente terá uma fila de pessoas esperando para fazer seu registro na “janela” natural. Como o local fica em uma propriedade privada, você deverá pagar ingresso para fazer esta trilha.

Nosso roteiro de 3 dias

Nos hospedamos na ótima Pousada Maya, em Alto Paraíso, na sexta-feira à tarde e fomos direto para o Zu’s Bistrô almoçar. Depois de muito papo com dona Vera, aproveitamos o final da tarde para conhecer a Fazenda São Bento e suas cachoeiras. À noite comemos uns belisquetes no quarto do hotel. Já no sábado começamos o dia conhecendo o Vale da Lua e depois almoçamos no Rancho do Waldomiro. À tarde aproveitamos a piscina do hotel e à noite fomos jantar no Jambalaya (que não está em nossas dicas de onde comer, porque nós não tivemos uma boa experiência). No domingo depois do café-da-manhã fomos conhecer a cachoeira Loquinhas. E à tarde voltamos para Brasília. Um roteiro bem simples, sem trilhas pesadas, com espaços para descanso e com algumas boas experiências gastronômicas. Os restaurantes de São Jorge ficarão para uma próxima oportunidade, com novas cachoeiras e roteiros. 

Onde comer em Chapada dos Veadeiros 

Rancho do Waldomiro

A placa que você vai avistar na estrada para São Jorge não impressiona, mas a matula do seu Waldomiro é considerada patrimônio na Chapada dos Veadeiros. Prato típico da região, a matula mistura vários tipos de carnes (carne de sol, carne de lata (frita), carne de panela e linguiça, todas desfiadas e colocadas no feijão. O prato vem acompanhado por arroz, abóbora cozida, paçoca e mandioca. Isso sem falar nas cachaças, mais de 10 tipos ficam disponíveis para que o cliente possa experimentar. Fernando adorou a chapadeira, uma cachaça envelhecida em carvalho. 

Zu’s Bistrô

“Isso é meu parque de diversões e vocês são o brinquedo”, disse a dona Vera, uma senhora que, depois da aposentadoria, resolveu abrir um restaurante no quintal de casa. O Zu’s Bistrô é uma ótima opção para quem quer comer fora de hora, já que a maior parte dos restaurantes de Alto Paraíso funcionam em horário restrito e o Zu’s funciona de meio-dia até 22h. Dona Vera tem um variado cardápio de risotos. Nós experimentamos o de carne desfiada e de figo com gorgonzola. 

Santo Cerrado Risoteria

Alta gastronomia numa cidade de terra batida? Sim. O Santo Cerrado Risoteria é um dos melhores restaurantes da cidade. O cardápio tem ótimas opções, o atendimento é excepcional, a decoração rústica e bonita e alguns dias oferece música ao vivo. 

Pizzaria Lua Nova

 As pizzas são maravilhosas, massa fina, forno à lenha e o ambiente é bem animado, normalmente com ótimas bandas. Os drinques são bons, a carta de vinhos deixa a desejar. Aliás, um problema em quase todos os restaurantes que conhecemos em Chapada dos Veadeiros. Na última visita nós levamos nossos vinhos e pagamos a rolha.

Dicas extras:

  • Leve dinheiro. Muitas cachoeiras são privadas e você precisará pagar para entrar. No geral, esses ingressos só podem ser pagos em dinheiro e você só encontrará caixa eletrônico em Alto Paraíso de Goiás. 
  • O ICMBio, instituto que cuida do Parque, recomenda que os turistas tomem a vacina da febre amarela 10 dias antes da viagem.

Veja também:

10 casas incríveis para se hospedar no Brasil

Veja a lista das 50 melhores vinícolas para se visitar em 2020

O que fazer em Londres – roteiro de 3, 4 ou 5 dias